Natureza e Recursos
  • Geografia
  • Clima
  • Flora
  • Fauna
  • Recursos Naturais
    • Petróleo
    • Gás Natural
    • Outros Recursos Naturais

 

1. Geografia

O Azerbaijão situa-se na parte sudeste do Cáucaso, que se estende por mais de 800 km do Mar Negro até o Mar Cáspio. Localizado no cruzamento entre a Europa e Ásia, o país tem uma posição geográfica única, e mantem sua importância nas relações econômicas e culturais mundiais.

O Azerbaijão é cercado por montanhas, que ocupam mais da metade do seu território: ao norte encontra-se o Grande Cáucaso com o pico mais alto do país Bazardyuzu - 4.466 m (sua parte sudeste chega até o Azerbaijão), ao sudoeste situa-se o grande planalto da Transcaucásia que se estende até a Armênia e a Geórgia, fazendo fronteira com o Cáucaso Menor, e ao sul situa-se as Montanhas Talysh. No oeste, além das fronteiras do Azerbaijão, o Grande Cáucaso e o Cáucaso Menor estão conectados pela faixa Likh (Suram), ao leste, além da vasta planície Kur-Araz. Está cercada por vales e planícies inclinadas. Assim, a superfície do Azerbaijão parece um tabuleiro gigante com bordas afiadas montanhosas, inclinando-se para o Mar Cáspio. Além disso, existem quatro vales isolados: um está ao norte do Grande Cáucaso (vale Gusar e as terras baixas Samur-Davachi), outro está dentro do altiplano Transcaucásia, (vale Arazyani de Nakhchivan), o terceiro é sobre a Península Absheron, descendo para o mar, e o quarto é a Planície Lankaran, aos pés das montanhas Talysh.

Estas características mais marcantes da superfície, juntamente com peculiaridades da posição geográfica, determinam profundamente a diversidade e a generosidade de sua natureza única, constituindo as características do Cáucaso e da Ásia Central.

O verão nas planícies, em sua maior parte, é longo, seco e quente; a paisagem é semidesértica, mas nos pântanos salgados pode ser classificado como deserto. Chove apenas durante os meses mais frios e é impossível ter uma agricultura sem irrigação. Nas montanhas, além dos estepes e florestas escassas, têm florestas densas de folhas largas. No Grande Cáucaso e Cáucaso Menor, muitos rios fluem das montanhas para as planícies. Os rios maiores os atravessam, enquanto pequenos rios secam, se tornando um tipo de fontes e criando "deltas secos". Os vales dos rios e os deltas são muito convenientes para os assentamentos e para a agricultura.

Os principais contrastes na natureza do Azerbaijão resultam da diferença entre montanhas úmidas e planícies secas. A paisagem varia de seco, semi-desertos quentes, para montanhas cobertas de neve e geleiras. A diversidade única da natureza do Azerbaijão é um resultado de sua posição geográfica e do relevo diverso. A visão panorâmica atual do Azerbaijão, com suas altas montanhas, planícies vulcânicas, profundos desfiladeiros, planícies, vales e linhas costeiras vêm se formando ao longo de milhares de anos.

A fronteira norte do Azerbaijão com a Federação da Rússia (Daguestão) estende-se ao longo da cordilheira do Grande Cáucaso. No noroeste do país, as faixas de divisão descem abruptamente no vale Qanix (Alazan) -Agrichay. Ao leste de Bazardyuzy - o pico o mais elevado do Cáucaso oriental - ambas as inclinações das faixas da divisão pertencem a Azerbaijão.

Na cordilheira Principal, entre Bazardyuzy (4.466 m) e Babadag (3.629 m), prevalece um alto relevo montanhoso.

A cordilheira Principal se estende até a cadeia Lateral onde fica o pico mais alto Shahdag (4.243 m). Ao leste e sudeste de Babaduz, a cordilheira do Grande Cáucaso desce rapidamente e transforma-se em ramos em forma de leque de montanhas de altura média chamadas de Dyubrar. Ao sudeste estas cordilheiras estão conectadas pelas colinas e montanhas baixas de Gobustan, e ao leste, pelos vales do planalto baixo da Península de Apsheron. Ambas as regiões são casas de vulcões de lama ativos dentro do Azerbaijão, com exceção da região noroeste, que se estende até a Geórgia.

As montanhas do Kur Médio separa a parte noroeste do vale Kur em dois vales menores - Qanikh (Alazan)-Agrichay ao norte e Ganja-Gazakh ao sudoeste. A planície Kur-Araz, que, como o Mar Cáspio, está inteiramente abaixo do nível do mar, é delimitada por montes e planícies inclinadas. A planície Kur-Araz é cercada pelas planícies Karabakh e Mil ao oeste, no sopé do Cáucaso Menor, e pela planície Shirvan ao pé do Grande Cáucaso. As margens dos rios Araz e Kur são as planícies Mil e Mugan, estendendo-se ao Irã. A planície Salyan e a Shirvan do Sudeste estendem-se até a foz do Kur.

Não longe da costa do Cáspio, dois arquipélagos de vulcões de lama emergem do mar: O arquipélago Apsheron, perto da Península Apsheron, e o arquipélago Baki, perto das costas do Gobustan e da planície de Kur-Araz.

O sudeste do Cáucaso Menor está dentro das fronteiras do Azerbaijão. É um sistema de vários altiplanos superiores a 2.000-3.000 m de altura e uma de planaltos médios e baixos.

O vale do rio Terter divide a parte do Azerbaijão do Cáucaso Menor em duas partes – nordeste e sudeste. O primeiro é cercado por duas faixas - Shahdag com o pico Ginaldag (3.367 m) e Murovdag com o pico Gyamish (3.725 m). Ambas as encostas do Murovdag está situado no Azerbaijão, e as fronteiras entre o Azerbaijão e a Armênia repassam a divisão da faixa Shahdag. No sudeste do Cáucaso Menor, emerge as montanhas de Karabakh, com o pico Boyuk Kir (2.725 m). Elas se elevam acima da planície Karabakh e os arredores de Khankandi. No sul, as montanhas se transformam de estepe Geyan para os vales montanhosos de Araz. Os interiores dos planaltos da Transcaucásia se estendem para os territórios da Geórgia e Armênia e com duas pequenas faixas dentro do Azerbaijão.

Ao leste desta saliência fica o altiplano vulcânico Karabakh, coberto com deriva e uma série de pequenos vulcões extintos. Alguns pontos altos excedem 3.000 m (montanha Ishikhli de 3.552 m), embora 1.500-2.500 m são mais comuns. No território de Nakhchivan emergem as montanhas da fronteira Zangazur e Daralayaz. O pico de Zangazur e a montanha Kaputjukh (3.904 m) é o pico não vulcânico mais alto do planalto da Transcaucásia. O sopé sul do Zangazur é banhado pelo Araz. As montanhas Talysh são de altura média. O seu ponto mais alto, a montanha Kyumyurkey, é de 2.477 m. A maioria das encostas das montanhas do nordeste ficam no Azerbaijão. Eles são divididos em três cadeias paralelas de vales e depressões. A principal bacia cria a fronteira entre o Azerbaijão e o Irã, fazendo que as encostas Talysh fiquem inteiramente no Irã.

Alguns rios do Azerbaijão desaguam no rio Kur, outros fluem, primeiramente, no Araz, maior afluente do Kur, e outros ainda desaguam diretamente no Mar Cáspio. O fluxo anual desses rios é estimado em 7.780 milhões de metros cúbicos. A distribuição da rede de rios sobre o território é desigual. Em terras baixas, com o solo macio permeável à água, eles são raros, mas nas montanhas, o número de rios aumenta devido o relevo e as chuvas abundantes. A rede de rios é bem desenvolvida nas alturas de 1.000-2.500 m. Geralmente, há 90.000 metros de dreno por um km2 .

O maior rio no Azerbaijão é o Kur com 1,515 km de comprimento (900 KM dentro do Azerbaijão). O Araz deságua no Kur à 236 km de sua foz. O Kur forma um delta na sua foz, que é de 15 km de comprimento. Ele desagua no mar Cáspio através de dois ramos: nordeste e sudeste. Uma rota navegável foi escavada em 1964, na direção sudeste. O Kur é o único rio no Azerbaijão importante para o transporte. A parte do Kur de Yevlakh até sua foz é navegável por pequenas embarcações de passageiros e cargas.

O segundo maior rio é o Araz, com 1.072 km de comprimento. Como o Kur, a cabeceira do Araz é na Turquia. Araz faz uma fronteira natural entre o Azerbaijão, a Turquia e o Irã ao longo de 580 km de comprimento. No território de Nakhchivan, o rio tem vários afluentes: o Arpachay Oriental, a Nakhchivan, a Alindjachay e o Gilanchay. Após a Acer (Hakeri), o rio deságua, e Araz atinge a planície Kur-Araz.

Nas montanhas há milhares de pequenos rios com menos de 10 km de comprimento. Cerca de 800 rios do país são de 10 a 100 km de comprimento. 23 rios têm mais de 100 km de comprimento. O volume anual da água nos rios do Azerbaijão, incluindo os drenos dos rios transitáveis, transportando águas a territórios vizinhos, constitui 30 km cúbicos por ano. Os rios nas montanhas levam aos vales grandes quantidades de terra e rochas, muitas vezes em fluxos catastróficos, o que causa grandes danos à agricultura. Os rios no Azerbaijão têm muito valor por seus recursos pesqueiros. No Kur, salmão e esturjões são encontrados. Nos rios do Cáucaso Menor, pode-se encontrar truta.

Os potenciais dos recursos hidrelétricos dos rios do Azerbaijão produzem 16 bilhões de quilowatts/hora por ano. Os principais potenciais dos recursos hidrelétricos são determinados pelos rios Kur e Araz. Os rios do Grande Cáucaso têm grande capacidade de hidro energia, devido ao seu alto fluxo de queda e gradientes de fluxo íngremes. As principais usinas hidrelétricas - Mingechevir (o maior da Transcaucásia) e Varvarin estão funcionando no Kur.

O número de lagos pequenos no Azerbaijão é de cerca de 250 lagos. Os lagos nas montanhas são de origem tectônica e glacial, como Goy-gol (a 1.556 m) e Alagel Grande e Pequeno (a 2.730 m). Ao longo da costa do Mar Cáspio situa-se os lagos Devechi, Gemushovan, Gil, Kildag. O lago de betume Binagadi no Apsheron é um local único para fazer o enterro em massa de animais antigos extintos.

A rede hídrica natural e o sistema de irrigação do Azerbaijão são regulados pelos reservatórios de água. O maior é em Mingechevir, construído em 1953. A barragem, com uma altura de 88 m, forma um reservatório de água com uma área de 605 km² e um volume de 16,1 milhões de metros cúbicos de água. Outros reservatórios de água são Araz (volume de 1,35 milhões de metros cúbicos) e Shamkhor (Shamkhir) (2,67 milhões de metros cúbicos).

A rede de canais de irrigação começa a partir do reservatório Mingechevir - através do Karabakh superior e dos canais Alto-Shirvan. Eles levam as suas águas para os campos de algodão das planícies Kur-Araz. A maior densidade de canais de irrigação fica na planície Mughan. O comprimento total de todos os canais do país excede 3,000 km. Na planície Samur-Devechi os trechos do canal de irrigação Samur-Devechi se estendem até 191 km, a partir do rio Samur no norte, até o reservatório de água Jeyranbatan na península Apsheron. As águas deste canal não só irrigam terras secas do noroeste do Azerbaijão e Apsheron, como também atendem às necessidades da população e das indústrias de Baku e Sumgayit. O comprimento dos canais do país é de 47058 km, e 1,4 milhões de hectares de área irrigada. As águas subterrâneas utilizadas na agricultura do Azerbaijão são importantes para o abastecimento de água para alguns bairros. As águas são um pouco salgadas em Apsheron e na planície de Kur-Araz.

 

O Mar Cáspio é o maior lago de água salgada do planeta.  Mas seu tamanho, características hidrológicas e origem o permitem chamá-lo de mar. Em seu passado geológico, o Cáspio tinha sido relacionado com oceanos da Terra, no oeste e no norte. Alguns fatores da paleontologia, bem como as espécies da fauna preservadas no mar Cáspio (15 tipos de mariscos e peixes) indicam às ligações do Mar Cáspio, com os mares do norte.

A superfície do Azerbaijão tem vários tipos de solo desde montanha-prado, encontrada nos prados alpinos, até o solo seco do semidesertos e terras amarelas dos subtrópicos de Lankaran. Esta variedade vem das estruturas complexas geológicas, relevo, condições hidro climáticas e de vegetação. A agricultura também tem influenciado a formação dos solos do Azerbaijão. O solo das planícies mantêm as marcas da lavoura. É sujeito à lavagem intensificada pela irrigação artificial, significativamente enriquecido com fertilizantes, e afetado pela irrigação dupla (como resultado, a segunda salinidade frequentemente ocorre no solo). Sob as florestas montanhosas e estepes, fica a terra preta altamente fértil. Um tipo peculiar de solo amarelado é caraterístico nas regiões Talysh e Lankaran. Este solo se forma em um clima quente e úmido e as cores vermelhas e amarelas deste solo vêm de dióxidos de ferro e alumínio, deixados para trás após chuvas terem lavado outros materiais dissolvidos.

2. Clima

O relevo do Azerbaijão cria condições muito favoráveis para a formação de um clima ameno quente na maior parte do país: a faixa do Grande Cáucaso serve como barreira natural, impedindo as massas de ar frio do norte e o Cáucaso Menor impede a passagem de ar tropical quente do sul. No entanto, no inverno, as massas frias de ar que entram no território do Azerbaijão do norte podem provocar tempestades, nevascas e fortes geadas.

O Azerbaijão tem 9 das 11 zonas climáticas. A mais alta temperatura média anual do ar é geralmente registrada em terras baixas - Kur-Araz e Lankaran, quando excede 14° C. A temperatura média de janeiro em terras baixas excede 0° C, mas às vezes a temperatura cai até -20º C. Seca, ventos quentes que sopram das montanhas Talysh na primavera e o ar tropical no inverno muitas vezes causam aumentos bruscos de temperatura.

Julho e agosto são os meses mais quentes no Azerbaijão. A temperatura média em de julho, nas terras baixas de Kur-Araz, a oeste da Península Apsheron e península Priaraz (Arazyani) de Nakhchivan é de 25º C a 27º C. Às vezes, quando penetra ar tropical do sul, a temperatura nestas planícies pode subir de 40º à 43ºC.

 Em Julfa (Nakhchivan), a temperatura máxima registrada foi de 44°C. Situado muito longe do Mar Cáspio e cercado de altas montanhas cumes, Nakhchivan é caracterizado por um clima continental. Não só a mais alta, mas também a mais baixa temperatura nacional foi registrada em Nakhchivan. A menor temperatura do ar nas planícies no Azerbaijão (-31ºC) foi registrada na estação meteorológica Dervishlar. Apesar de ter por perto um grande reservatório de água do Mar Cáspio, apenas a linha costeira é influenciada pelo mar. A principal fonte de umidade não é o Mar Cáspio, mas as massas de ar do Atlântico ocidental. A distribuição das chuvas é muito desigual em todo o país. Algumas regiões têm entre 200 mm (sul de Apsheron Península), e outras regiões com 1.600 mm  de chuvas anual (sul de Lankaran). Às vezes chove granizo, o que é prejudicial para a agricultura.

Zonas climáticas do Azerbaijão

 São vários os ventos que sopram no Azerbaijão. Os ventos predominantes da Península Apsheron são Khazri (Baku nord) um vento forte do norte soprando do mar - e Gilavar - um vento forte do sudoeste. Nas terras baixas, ventos sopram geralmente nas direções noroeste e sudeste.

Os ventos não atingem altas velocidades na parte principal do território, exceto na Península Apsheron, onde a ocorrência de fortes ventos tempestuosos é frequente. A velocidade de Khazri chega a um ponto máximo nas zonas costeiras, desacelerando quando sopra em diferentes direções sobre o mar. No verão, os ventos quentes e secos, prejudiciais para a agricultura, sopram nas terras baixas Kur-Araz.

As alterações e durações das estações climáticas no Azerbaijão não são claramente definidas. A primavera começa no início de março, em planícies e na Península Apsheron. O verão é a temporada de duração mais longa, começando a partir do final de maio e durando até meados ou até mesmo final de outubro, quando o clima é seco e quente nas terras baixas.

O outono começa em outubro, quando o calor diminui e às vezes chove. A temperatura típica é quente e seca, portanto, o outono no Azerbaijão é considerado uma temporada "de veludo". Nas regiões montanhosas, o outono é, muitas vezes, um período de chuvas.

O inverno no Azerbaijão é leve. A incidência de temperaturas abaixo de zero nas planícies é rara. Apenas em invernos frios incomums há fortes geadas. Os meses mais frios são Janeiro e Fevereiro.

Há nove tipos de clima no país, variando de subtropical seco e úmido para o clima de tundra de terras altas, com extremos de temperatura de -45º C no altiplano até + 44º C em terras baixas.

A planície Kur-Araz, com os sopés adjacentes do Grande e Menor Cáucaso, a planície Samur-Devechi e a Península Apsheron com Gobustan, têm o clima de semidesertos e estepes secos com verão quente e seco e inverno ameno, próximo ao subtropical. O mesmo tipo de clima, mas com invernos frios é típico da zona Priaraz (Arazyani) de Nakhchivan.

Os sopés do Cáucaso  maior e menor  têm clima quente e moderado, com invernos secos. A umidade moderada é típica deste clima. O clima quente moderado, mesmo com chuvas durante o ano, domina principalmente a zona florestal do sul e nordeste de encostas do Grande Cáucaso. O clima quente moderado com verão seco, com  chuvas abundantes em outras estações são características de regiões subtropicais da planície Lankaran e colinas circundantes das montanhas Talysh. Um clima frio, com inverno seco é típico das encostas ao nordeste do Grande Cáucaso (1,000-2,700 m) e uma parte grande do Cáucaso Menor (1,400-2,700 m). O clima frio, com verão seco é típico em Nakhchivan.

Acima de 2,700-3,000 m, o clima frio e úmido da tundra de terras altas prevalece. Este tipo de clima é notável em terras altas do Cáucaso Maior e Menor e parcialmente na faixa de Zangezur e de Nakhchivan.

Em geral, o clima das montanhas varia desde clima de tundra de terras altas até clima de semidesertos e estepes secos. Ao mesmo tempo, o calor de verão e seca, chuvas quentes no outono, inverno frio e úmido, e as primaveras instáveis são típicos das terras baixas. Todas as planícies são divididas em zonas de regiões subtropicais secas (abrangendo os principais trechos da planície) e subtropicais úmidos (vale Alazan / Qanix-Agrichay e planícies Lankaran). Isso permite o cultivo de plantas subtropicais de clima seco e úmido no Azerbaijão.

Todas essas características do clima no Azerbaijão são determinadas não só pelo relevo, mas também pela posição geográfica peculiar, pelos processos de circulação e a variedade de rochas e águas subterrâneas.

 

3. Flora

O território do Azerbaijão é o lar de mais de 4.100 espécies de vegetação. Mais de 200 são relíquias (indígenas), pois não são encontradas em nenhum outro lugar, exceto no Azerbaijão e nos territórios vizinhos. Por exemplo, o pinheiro Eldar, o Lotus Cáspio, famosa por sua beleza, podem ser vistas na área do delta do Kur e perto de Astrakhan. Nas florestas Talysh, existem várias relíquias de espécies de plantas que também podem ser encontradas só no norte do Irã.

A diversidade da vegetação do Azerbaijão não só simboliza a história da natureza, como também sua localização no cruzamento de várias regiões da flora e uma variedade atual de condições naturais. As florestas "Tugay", ao longo das margens dos rios Kur, Araz e Alazan são únicas: elas atravessam vales secos semidesérticos e se alimentam de águas dos rios durante as cheias e águas subterrâneas. Estas florestas tem carvalho, choupo, freixo, salgueiro, árvores de nozes, ocupando uma grande área em Gazaoglan, Jirdahan, Babanlar, Varvara; protegendo o solo. Florestas montanhosas cobrem cerca de 10% de todo o território do Azerbaijão e crescem de 600 a 1.800 m de altura. Estas florestas são de folhas largas e os tipos principais de árvores são o carvalho, o choupo, faia, bordo, e freixo. As florestas de montanha são de grande importância para a preservação da água e proteção do solo. São locais de caça, lazer e turismo. As florestas de folhas largas de Lankaran são peculiares, com variedades de relíquias antigas de árvores tais como acácia de seda, árvore de ferro.

A flora do Azerbaijão é uma fonte matérias-primas valiosas, produtos alimentícios e materiais de construção. Ela inclui frutas medicinais, de curtume, frutas ricas em vitaminas, frutas silvestres e plantas forrageiras. Na reserva florestal de Zakatala, o ginseng tem sido cultivado desde 1953. Na região de Talysh-Lankaran, existem plantações de tunga, feijoa, louro, e nas planícies de Kur-Araz, capim de sudão  (Mogar) é cultivado.

4. Fauna

Mais de 12,000 espécies de animais habitam o Azerbaijão, dos quais mais de 92 são mamíferos, 350 são aves, 49 são rastejadores, 9 são anfíbios, 88 são peixes e 10,000 são insetos. Igual a sua vegetação, o reino animal do Azerbaijão também é influenciado pela história da natureza. Várias províncias zoogeográficas podem serem definidas, sendo cada uma delas caracterizadas por seu próprio conjunto de fauna.

A fauna das planícies secas é caracterizada pela abundância de roedores, rastejadores e répteis. Pode-se ver a gazela ou jeyran da Ásia Oriente, nas planícies. Sua beleza foi descrita por poetas do Azerbaijão tanto clássicos (Nizami Ganjavi), quanto contemporâneos (Samed Vurghun).

O mundo dos pássaros também é muito diversificado. Na reserva Kizilagadj, em florestas úmidas e pântanos das planícies Lankaran, mais de 200 espécies de aves vêm para o inverno, além de mais de um milhão de aves se reúnem no tempo de migração, incluindo: pelicanos, flamingos, cisnes, garça-real, e sultankas.

A fauna do Cáucaso Grande e Menor são bastante distintas. Nas colinas, morcegos são muito comuns; além de perdiz, pomba azulada, faisão. Entre os répteis, os Gekkon, cobras cascavéis, gyurza (cobra) e lagartos de pedra são vistos. Nas florestas, veados não são raros.

Nas terras do Grande Cáucaso, auroques indígenas e rebanhos de camurça pastam. No Cáucaso Menor, muflões e cabras podem ser encontrados. Planaltos Alpinos são habitados por abutre-barbudo, blackjacks e Ulan caucasianos. Em Talysh, leopardos, vindos do Irã, e porcos-espinho adicionam à peculiaridade das florestas.

O Mar Cáspio é rico em vida marinha que inclui arenque, salmão Cáspio, esturjão, esturjão branco, sevruga, Loach Cáspio, Kutum, djerikh. No rio Kur existem 50 espécies de peixes, das quais 23 são de importância comercial. Um peixe muito raro - luciopercas  - habita áreas próximas ao litoral. Focas aparecem na costa do Azerbaijão, entre março e abril, quando migram para o sul e, em entre outubro - novembro, quando retornam para o norte. Para preservar espécies raras e valiosas de plantas, peixes e animais reservas foram criadas. As mais conhecidas reservas são: Zagatala, Qizilaghaj, Girkan, Turianchay, Karayazi - Agstafa, Guba-Gusar, Goy-Gol, Lachin, Bandovan. Mais de 100 espécies de animais foram incluídas no "Livro Vermelho" do Azerbaijão.

 

5. Recursos Naturais

5.1. Petróleo

O Azerbaijão é rico em recursos minerais, o mais importante deles é o petróleo. Os principais campos de petróleo estão na Península Apsheron e na Plataforma Cáspia. Os mais ricos depósitos de petróleo foram descobertos nas águas ao sul do Apsheron. Campos de petróleo situados ao norte da Península Apsheron em Siyazan e ao oeste e sudoeste de Apsheron em Gobustan, Shirvan e Salyan têm a estrutura mais perspectiva. Não muito longe da Ganja (em Naftalan) estão os campos de modificação única de óleo medicinal. De grande importância é o gás natural associado.

O Azerbaijão é um dos mais antigos países do mundo produtores de petróleo. A indústria de petróleo do país teve um crescimento no final do século 19 e início do século 20. Durante a Segunda Guerra Mundial, a República Soviética do Azerbaijão produziu cerca de 500.000 barris por dia. No entanto, a produção de petróleo no Azerbaijão caiu drasticamente nos anos da pós-guerra, com a União Soviética direcionando recursos para o desenvolvimento de energia para outras regiões. Além disso, por causa do amplo desenvolvimento de óleo combinado com a falta de medidas de proteção ambiental, o litoral do Azerbaijão e do Mar Cáspio sofreram danos ambientais pesados durante a era soviética. Os anos de independência marcaram uma nova era de exploração e produção de petróleo.

5.2. Gás Natural

O Azerbaijão tem de 11 a 30 trilhões de pés cúbicos (Tcf) de reservas comprovadas de gás natural (dependendo da fonte consultada). No entanto, não há infraestrutura suficiente para transportar o gás associado de muitos dos campos de petróleo da costa do Cáspio e uma parte dele está sendo queimada. Em 1999, o Azerbaijão aprovou uma lei exigindo o planejamento para a exploração de gás associado para funcionar com cada projeto de petróleo. Em outubro de 1999, SOCAR e TDA assinaram um acordo de 425.000 dólares para ajudar a financiar um estudo detalhado sobre o gás natural.

O campo de gás natural Shah Deniz, que foi descoberto em 1999, estima-se ter entre 25 e 39 Tcf, tornando-o a maior descoberta dos últimos 20 anos. O custo estimado para o desenvolvimento e infraestrutura de Shah Deniz é de $ 4,5 bilhões e a primeira produção está prevista para 2006. A taxa de produção anual deverá ser de 286 bilhões de pés cúbicos (Bcf).

Dos outros campos de gás natural no Azerbaijão, o campo Nakhchivan a estimativa é que tem 900 Bcf em reservas. Existe também uma reserva de gás natural no campo de Gunashli. Mais de 95% da produção de gás do Azerbaijão vem de campos da costa. O campo de gás natural Bakhar atualmente fornece mais de 40% da produção de gás natural do Azerbaijão, mas sua produção está em declínio devido à falta de novas perfurações. Espera-se que o aumento da produção futura virá do Nakhchivan, Gunashli, e dos campos de Shah Deniz. Atualmente, a SOCAR produz cerca de 85% do gás natural do Azerbaijão, e AIOC produz uma pequena quantidade de gás associado (ou seja, gás natural encontrado com depósitos de petróleo bruto).

 

5.3. Outros Recursos Naturais

O Azerbaijão não tem depósitos de carvão significativos, nem qualquer produção doméstica de carvão. O Azerbaijão consome apenas uma pequena quantidade de carvão, e esse consumo diminuiu de mais de 26.400 toneladas, em 1992, até apenas 1.100 toneladas em 2000. O Azerbaijão é, no entanto, rico em ferro e minério de alumínio, pirita, molibdênio, arsênico. Os depósitos de minérios poli-metálicos fica em  Filizchay (Grande Cáucaso), na parte superior do vale Belokanchay, e são de importância comercial. Os mais ricos depósitos de minério de ferro (Dashkesan) e alunita (Zaglic) estão nas montanhas do Cáucaso Menor. Perto de lá, na região Dashkesan-Ganja, existem grandes depósitos de minério de cobalto e pirita.

Nakhchivan é rico em sal e poli metais. Os depósitos de sal no campo Negram estão estimados de 2 à 2,5 toneladas. O molibdênio é extraído em Paragachay e ominério de arsênio em Negram. O Azerbaijão também tem depósitos minerais usados como materiais de construção. Nas encostas do Cáucaso Menor o mármore é extraído, embora a sua qualidade seja inferior ao do mármore Carr. Depósitos de cascalho, areia, cal, tijolo de barro vermelho à prova de fogo são extraídos na Península Apsheron. Os depósitos de construção de pedra do país estão estimados em 300 bilhões de toneladas (Gyuzdeck, Mardakyan, Dovletyari, Dilagarda, Shahbulag, Naftalan, Dash Salakhly) e cerca de 24 milhões de toneladas de pedra de revestimento (Gyulbakht, Dashkesan, Shakhtakhty, Kilably). O número de fontes termais e minerais do Azerbaijão vai além dos milhares. As fontes mais conhecidas são as de Istisu, Turshsy, Badamli, Galalty, Shikhburnu, Surakhany.